.


.


 

.

.


.



..

.

Maio


Depois de Serraria, a equipe do projeto foi para Guanxumas da Ilha de Búzios. O tempo não estava dos melhores, mas era hora de partir para mais uma Jornada da Cultura Caiçara.

As condições de trabalho lá foram mais desafiadoras, primeiro em função do relevo acidentado do local, e também pela comunicação bem mais difícil. Para conseguir sinal de celular só subindo morro, numa caminhada de uns 20 minutos.

Jornada Buzios

Assim como em todas as Jornadas, tudo começou com o levantamento das figuras caiçaras mais antigas, sempre em busca de depoimentos que tivessem o potencial de serem encenados. A primeira a ser entrevistada foi Dona Olga, avó da aluna Érica Costa. Entretanto, ao iniciarmos as oficinas, nos deparamos com uma publicação artesanal realizada pela aluna Patrícia Costa. Esse trabalho ganhou o título de “Crônicas de Família”, e foi elaborado através de conversas de Patrícia com os caiçaras mais antigos, gerando 4 histórias.

Jornada Buzios

A primeira chama-se “O Cavalo Preto”. A autora conta que suas tias, Silvia e Adriana, estavam cortando bambus para fazer uma vassoura, quando Silvia viu um cavalo preto no alto do morro. Ela então perguntou à Adriana se também via o animal, e ela lhe disse que não. O cavalo então desceu o morro e as duas saíram correndo, concluindo que se tratava de um espírito.

Jornada Buzios

“Caminho das Ondas” é uma crônica que fala sobre os percalços da travessia no mar, e o susto que as forças da natureza, especialmente um raio, causaram na autora.

Jornada Buzios

“A noiva de Búzios” é uma história contada pelos antigos sobre uma noiva que morreu no naufrágio do navio Príncipe das Astúrias, e seu corpo foi dar na Ilha de Búzios. No dedo dela havia um anel de diamantes que não poderia de jeito nenhum ser tirado, pois era amaldiçoado.

Jornada Buzios

“A velha da caixa” é uma crônica meio surrealista, que conta que a mãe e a tia de Patrícia foram uma noite assistir televisão na casa da avó delas, e quando a tia olhou para cima do morro viu uma velha dentro de uma caixa, escorregando morro abaixo. As duas saíram correndo e nem foram assistir TV.

Jornada Buzios

Conseguimos também entrevistar/filmar Seu Rodolfo, um dos integrantes mais velhos da comunidade. Ele falou sobre vários aspectos da pesca e da sua vida na Ilha de Búzios. Também conversamos com o Sr. Edinho, pescador e tio de vários alunos, que falou sobre a pesca, e foi filmado na lida, visitando suas redes no mar.

Jornada Buzios

Em Guanxumas, participaram das atividades crianças na faixa etária da 1ª infância, 2 da Educação Infantil, além de 3 do Fundamental I e 3 do Fundamental II. É uma comunidade pequena, com poucas famílias.

Jornada Buzios

A apresentação foi realizada por todos os alunos, se revezando nas encenações das quatro histórias. O texto do livreto foi usado como base para a encenação dos alunos, e narrado na apresentação.

Jornada Buzios

O público foi formado pelos pais, tios, avós e avôs, irmãos e caiçaras da comunidade. A professora participou da apresentação tocando okulelê, um instrumento de corda de origem havaiana, e as crianças cantaram em coro a musiquinha do sapo: "o sapo não lava o pé, não lava porque não quer...”

Jornada Buzios

No último dia nadamos com as crianças da escola. Foi preciso descer na costeira e se agarrar numa corda até mergulhar no mar.... de roupa claro! Não é hábito de caiçara usar biquini ou maiô.

Depois da volta de Guanxumas, rapidamente foi armada a próxima viagem, desta vez para a Ilha da Vitória. Os laços entre a equipe do Pés no Chão e a comunidade tradicional de Vitória são fortes e muito antigos. Lá foi realizado o primeiro vídeo-documentário da entidade através do ProAC-Secretaria de Estado da Cultura e também o Projeto Artesãos da Ilha, por meio do MINC.

No final de maio, o pescador Hilário veio buscar a equipe da Jornada ainda de madrugada, pois a viagem até lá é demorada e havia previsão de ventania para o período da tarde, o que foi de fato confirmado, até mesmo com a interrupção da travessia da balsa.


O Projeto Memórias Reveladas tem o patrocínio de Petrobrás por meio do Programa Petrobras Socioambiental







 

 

h