.


A quarta história teve um componente bem real, e foi relatada pelos próprios alunos. Ela se chama O salvamento do turista, e aconteceu de fato no início deste ano. Foi apresentada para o público na sequencia da Contação anterior.

A praia de Castelhanos é linda de se admirar
Aqui chegam turistas do mundo todo
Vem gringo de tudo que é lugar
Até que vem gente esperta
Mas a maioria não sabe respeitar o Mar

Este é o Auro
Enquanto costura a sua rede de pesca, ele está sempre a observar.

Auro: Hoje o mar tá grosso, e tem muito turista na praia. Isso não vai prestar.

Turista1:  Vamos lá, vamos dar a volta no ilhote
Turista2: do jeito que tá, se melhorar estraga
Auro: Só que toma cuidado com a corrente que vem de lá, que hoje a coisa tá brava!
Turista1: sim senhor pode deixar
Turista2: a gente sabe como entrar no Mar

E lá se foram eles, e de longe o Auro só observava e costurava.
Os meninos sabiam direitinho como é a lida com o Mar. Conheciam os caminhos entre as ondas, era bonito de ver os meninos navegar.

Mas de repente o Auro se assustou. Porque viu que um turista, montado num caiaque não percebeu o ressolho da maré. E era certo que dali o caiaque ia virar. Tentou até avisar, mas tava longe, quem ia escutar?

Turista1: Help, Help

Menino1: Itamar, que que ele tá falando?
Menino2: tá chamando se Falb
Menino1: o qual! Ele tá é pedindo ajuda. É Help Help, o professor ensinou
Menino1: Aiaiai, tão pedindo socorro.
Menino2: vamo lá!

Então os meninos se aproximaram... Não foi nada fácil

E assim, com muita sabedoria, os nossos heróis salvaram o turista.
Seu Auro ficou orgulhoso dos meninos da praia de Castelhanos.
E o turista agradeceu humildemente, e partiu.
Menino1: será que ele volta?
Menino2: se volta não sei. Mas aqui ele aprendeu uma lição.

O público adorou as apresentações e os alunos ficaram super empolgados com o trabalho. Mas terminada a Jornada em Castelhanos, lá se foi o 4X4 buscar a equipe e se preparar para a próxima, desta vez do lado de cá.

A Jornada seguinte está sendo com os alunos da Escola Leonardo Reale, e ainda está em andamento. O grupo é formado por estudantes da 7ª e 8ª serie, e as oficinas estão acontecendo no Pés no Chão no período da manhã, uma vez que eles estudam de tarde. A van continua colaborando muito com as ações do projeto, pois vai buscá-los e levá-los para a escola depois das Oficinas.

O entrevistado desta Jornada foi Seu Canico, pescador de 80 anos, ainda ativo. Ele é avô da aluna Raissa e falou sobre a salga de seu Hirata e Dona Emi, na Praia da Ponta Azeda.  A partir de seu depoimento foi criada a peça O fuxico da Salga, que será apresentado no início do próximo mês.

No momento, muita leitura de texto, e bonecos sendo construídos!

 

O Projeto Memórias Reveladas tem o patrocínio de Petrobrás por meio do Programa Petrobras Socioambiental

.

.


.

..

.

2018 -     Fev    Mar    Abr    Mai    Jun    Jul    Ago    Set    Out    Nov    Dez   
2019 -    
Jan    Fev    Mar    Abr    Mai    Jun    Jul    Ago    Set    Out   

Setembro

Apesar do tempo fechado, a viagem de ida para Castelhanos foi ótima! A equipe ficou num quarto alugado dentro de um camping, próximo à escola. Chegando lá, o primeiro passo foi ir até lá conhecer os professores, alunos e funcionários. A receptividade de todos foi maravilhosa e assim combinamos como seriam realizadas as oficinas.

O primeiro caiçara a ser entrevistado foi Seu Otávio. Ele deu um depoimento longo, contou muitas histórias, como a picada que sofreu de uma jararacuçu, suas lembranças dos naufrágios dos navios Concar e Príncipe da Astúrias, o Engenho da Cachaça Favorita e algumas histórias de assombração...entre elas uma que falava de lobisomem! E não é que ela acabou contribuindo para a narrativa da encenação “O Lobisomem de Castelhanos”?  

Dessa Jornada participaram alunos do Canto do Ribeirão e do Canto da Lagoa, além de um do Ensino Médio da Praia Mansa. Assim como nas demais Jornadas nas comunidades tradicionais, foi um trabalho intensivo, que envolveu alunos e funcionárias da escola. Um fato curioso foi que algumas funcionárias, que são mães recentes se interessaram muito em construir os bonecos, e puseram a mão na massa!

O trabalho nas Oficinas, como sempre, envolveu a criação dos bonecos e seus respectivos figurinos, adereços e objetos de cena. 

Foram criadas e apresentadas quatro Contações de História pelos alunos.

Os mais novos apresentaram uma releitura da História do “Chapeuzinho Vermelho” numa versão caiçara.  As próprias crianças que propuseram, motivadas pelo lobisomem que estava sendo construído nas oficinas para outra contação. A partir da história original, foi feita uma adaptação para o contexto caiçara, narrado por Tina, e as crianças manipularam os bonecos reagindo espontaneamente às suas falas. 

Os alunos do Fundamental I apresentaram “O poço da Lage Preta”. Assim como a turma do Chapeuzinho Vermelho, este grupo não teve texto em sua encenação, mas eles manipularam os bonecos e disseram falas criadas por eles.

Na história, dois meninos brincam na mata, lá na Lage Preta, e veem uma capivara. Ela se transforma em uma sereia, que acabou virando uma princesa-sereia. Eles levam seu pai para ver, e ao final ficam amigos da capivara-sereia-princesa. 

O tema do lobisomem gerou a peça “O Lobisomem de Castelhanos”. Ele apareceu no depoimento de Seu Otávio, entrevistado na Jornada. Mas, este assunto está, de fato, no imaginário de toda a comunidade.


E assim ela foi contada:

 

Aqui na praia de Castelhanos
Viviam por aqui duas irmãs muito quer…
Uma era a Primeira
E a outra era a Segunda

E depois tinha a Terceira
E mais uma ainda: a Quarta
Elas eram felizes
mas tinha só um probleminha

Quarta: e magrinho demais, parece doente
Primeira: só se for doente de Amor!
Me deixe, vocês estão é com inveja


E então se deu o casamento
E foi bem bonito, não é que o rapaz era rico?
Construíram uma casa e foram levando a vida


Mas tinha algo que acontecia
e que era meio esquisito
Que dava alguma coisa naquele homem,
nas noites de sexta feira quando a Lua era cheia


Primeira: Já tá escurecendo... vocês viram meu marido?
Segunda: Aiaiai, tá de novo sumido?
Terceira: Olha que eu te disse que ele era esquisito.
Quarta: Deve de ter outra namorada


Primeira: Deixa de falar bobagem!
Só se essa outra namorada
se chamar Lua do Céu
Segunda: Lua do Céu???
Terceira: Como assim?


Quarta: Ficou doida?
Primeira: é que quando entra a lua cheia,
ele não para de olhar pra ela.
É um amor tão grande que ele sente
que não sei nem explicar


Mas espera um pouco, e agora o que acontece?
Ele está se contorcendo!
Ele está se estrebuchando,
ele está se transformando num LOBISOMEM!
AAUUUUUUU!!!


Segunda: Cruz credo!
Terceira: eu hein?
Quarta: esquisito demais!
E lá está ele, o marido da Primeira,
e não é que tá mesmo de caso com a Lua?


A Segunda, a Terceira e a Quarta
que estavam na casa da Primeira
consolando a coitada pelo sumiço do marido


E como lobisomem
ele fez uma bagunça danada
E assustou toda a meninada


A Quarta que era a menorzinha,
ficou pra trás só por uma braçada
E o Lobisomem quase a pegou


Agora voltavam pra casa na caminhada.
E não é que o Lobisomem quis pegar as coitadas?
O susto foi tão grande que elas correram desembestadas.


No dia seguinte logo de manhã bem cedo
Quando a Primeira acordou
Encontrou desmaiado o seu marido
Que susto ela levou


Minha nossa! A sorte é que as irmãs
lhe deram umas pedradas
E só no vestido da moça ele conseguiu
dar sua dentada.

Primeira: o que é isso meu marido?
Homem: vem comigo minha querida,
que te conto minha triste sina.


Com as roupas todas rasgadas
A cabeça machucada das pedradas
E o que é pior, um fiapo do vestido
da irmã entre seus dentes

Ninguém sabe dizer ao certo
o que aconteceu depois dessa conversa.
Mas nem o homem, nem as quatro irmãs,
nunca mais foram vistos.

Primeira: aiaiai, por aqui ninguém me agrada,
Segunda: você não gosta do Zizinho?
Terceira: E o Ditinho? Tavinho?
Quarta: nunca que vai arranjar marido!
Primeira: Aiaiai... Vou ficar solteira toda a vida

Um dia um moço muito bonito
Na verdade bonitinho...
Um pouquinho
Ele veio ninguém sabia de onde e nem por que
Pediu licença e foi ficando

A Primeira quando o viu
Ela logo se encantou
Ainda mais quando o homem sorriu
E lhe entregou uma flor


Homem: um humilde presente
para a mais bela flor do meu jardim!
E depois um anel de noivado

 

As irmãs mal acreditaram
Quando ela lhes contou
Primeira: ele me pediu em casamento!!!!
Segunda: aiaiai, mas como pode?


Nem sabemos de onde veio?
Primeira: veio da estrada do amor
Terceira: Mas ele é tão branquelo!
Primeira: como a espuma do Mar

 

 

 

h